Sérgio Godinho: uma vida a musicar as nossas vidas

Não há forma de pagar o tanto que Godinho nos deu, a banda sonora das nossas vidas, musicando com as suas palavras certeiras o nosso quotidiano, todas as nossas pequenas e grandes derrotas e vitórias diárias.

Sérgio Godinho – Aos Amores (1989)

Godinho volta ao amor, aos retratos sociais e aos grandes temas, no seu último registo da década de 1980 No final da década de 80, havia mudanças à vista. Depois da edição de Os amigos de Gaspar – uma espécie…

Sérgio Godinho – À Queima-Roupa (1974)

O disco mais político de Sérgio Godinho, nascido bem no meio do 25 de Abril de 1974.

“Cantares de José Afonso” já está disponível online pela primeira vez

Cantares de José Afonso foi editado pela primeira vez em vinil em 1964, e contém quatro temas originais, com destaque para “Ó Vila de Olhão”. O EP inclui ainda canções como “Coro dos Caídos”, “Maria” e “Canção do Mar”.

“Canto Moço” – Zeca Afonso

Recordemos Zeca na canção do dia Altamont.

Em Cada Esquina Um Amigo || Voz do Operário

Uma bonita homenagem a Zeca Afonso, organizada pela Produções Incêndio, que foi das cordas de nylon ao sampler, das raízes da música de intervenção do século XX à música interventiva dominante no século XXI – o hip-hop. Manuel Seatra e…

Luís Severo – Luís Severo (2017)

Em apenas oito canções, Luís Severo afirma-se como certeza cada vez maior da música nacional. Um disco simples, que parte da estreita relação entre piano e voz, mas rapidamente levanta voo e faz uma ponte entre a Lisboa de hoje e de há 40 anos.

Canção do dia: Já o Tempo Se Habitua – B Fachada

Para fechar a semana em jeito de pescadinha de rabo na boca, ficamos com outra faixa de Zeca Afonso, mas desta vez pelas mãos e voz de B Fachada. “Já o Tempo Se Habitua” é a cover com que o…

“Coro da Primavera” – Zeca Afonso

E com esta música nas orelhas, gritemos de peito cheio com a força renovada que a liberdade conquistada em 1974 nos deu: 25 de abril sempre! Fascismo nunca mais!

Altamont Entrevista: Beautify Junkyards

Já os conhecemos há quase dois anos, já os vimos ao vivo, já escutámos o primeiro álbum. Mas agora eles regressam, com o primeiro trabalho de originais (à venda a partir de 27 de Abril) e foi este o pretexto…

Reportagem: B Fachada || Salão Brazil

O papel a dizer “Lotação Esgotada” na porta do Salão Brazil fazia-nos prever uma noite animada, de uma maneira que só B Fachada conseguiria. E, claro, toda ela feita em fachadês. O concerto começou com uma versão de «Afro-Xula» ao piano, só…

Altamont Entrevista: Lavoisier

Fomos à cidade-natal – Odivelas – de Roberto Afonso e Patrícia Relvas (Lavoisier) ouvi-los dar uma lição sobre emigração, ser músico português (no estrangeiro) e como é sentir na pele o património da música tradicional e popular portuguesa. A hora…

B Fachada – B Fachada (2014)

Depois do intervalo intimista de O Fim, B Fachada apanha-nos onde Criôlo nos tinha deixado: uma caldeirada de folclore português, kizomba e electrónica qual Beck comendo uma dançarina minhota numa discoteca de Luanda. Fachada já explicara antes o empreendimento que…

Canção do Dia: José Afonso – Nefretite Não Tinha Papeira

Quando ouvimos o nome “Zeca Afonso”, pensamos de imediato em canções de intervenção. Contudo, talvez dois terços das suas canções não tenham qualquer conteúdo político, sendo ancoradas no cancioneiro popular ou no surrealismo mais desbragado. É neste último chapéu que…

Canção do Dia: José Afonso – Avenida de Angola

Avenida de Angola (a maior avenida de Maputo) foi em tempos a grande zona de prostituição das colónias, presa fácil para o turismo sexual das gentes da África do Sul, um dos efeitos secundários do abjecto apartheid. Quando por fim…

Zeca Afonso: O génio que não sabia afinar a viola

Estava eu no outro dia a ouvir o Cantigas do Maio quando uma amiga me pergunta, sem sombra de ironia: “porque é que estamos a ouvir música de comunistas?”. Sorri e encolhi os ombros. E enquanto a minha amiga falava…

Canção do Dia: Zeca Afonso – Balada de Outono

29 de Janeiro de 1983. Já muito doente, Zeca Afonso dá o seu último concerto em Lisboa. Os versos da Balada de Outono “Água das fontes calai, ó ribeiras chorai, que eu não volto a cantar” soaram terrivelmente simbólicos. A sua voz trémula…

Ermo – Vem Por Aqui (2013)

“22:55h – As forças revolucionárias ocupam a emissora estatal: está a preparar-se o golpe de estado. 23:15h – Cortando a tranquilidade aparente da noite, os rádios de todo o país começam a difundir o sinal de que estava na altura…