Artigos

Repto da Semana – pop music

Next Article
uma música no ar...
Comments (8)
  1. Alex diz:

    Ainda não me tinha pronunciado por falta de tempo, mas acho que ainda consigo adicionar algo. Há para mim um ponto que é muito importante no meio desta questão da música pop, que tem a ver com o objectivo de uma “banda”. Eu distinguiria a música pop do resto pelo seu objectivo no mundo da música. Vou buscar um exemplo claro para ilustrar o que quero dizer – as Spice Girls. Nada mais pop. Porquê? Porque tudo foi fabricado com um único objectivo – vender para as massas. Toda a sua concepção passa por dar às massas o que um produtor de música pensa que as massas querem (e acertou em cheio), colocando umas miúdas na ribalta, sendo a qualidade da música o secundário. No meu ponto de vista aqui é que reside a grande diferença entre o mundo pop (voltado para a venda massificada, preocupado com os tops de vendas) e a música underground, em que uma banda adora a música, trabalha na sua música com dedicação e o faz com elevada qualidade, pouco preocupada se o público gosta ou não. Os Sonic Youth (para usar os exemplos que têm estado em cima da mesa) são o extremo máximo desta outra face, mas há muitas outras bandas com este espírito.
    Tudo isto se passa no mundo dos filmes (produções holywwodianas vs cinema de autor) e livros (novelas romanescas a metro vs escritores a sério), e noutras artes também. E diria que é muito triste que o público (na sua maioria) aceite de olhos fechados o que se lhes pões à frente e consuma disso forte e feio, sem questionar ou procurar algo mais…

  2. Vasco diz:

    Raul, peço desculpa pelo meu comentário, foi feito em cima do joelho a tarde e más horas.
    Em relação à cultura pop, sempre me fascinou. Tens o exemplo de Andy Warhol, o maior ícone pop de sempre, que revolucionou a arte. Lembro os velvet underground como uma das maiores referências de bandas como os sonic youth ou nirvana.
    Que venha a bela da pop em latas campbell…

  3. Sem dúvida que há alguma música indie que pode ser considerada sub-grupo do pop. Aliás, pop vem de popular e sabemos bem como algumas bandas indies se tornaram populares. O que não é necessariamente mau… Se são boas, ainda bem que cada vez mais pessoas as ouvem, embora no fundo possamos não gostar por sentimentos de pertença, do género “então fomos uns dos poucos que descobrimos esta banda e agora todos gostam dela??”

  4. Pete diz:

    Concordo com o Raul: ser “pop” não é necessariamente “mau” nem “popularucho”. Música “pop”, para mim, é toda a música que tem oportunidade de chegar às massas através da exposição proporcionada por rádio e/ou televisão – por outras palavras, “pop” são as bandas que têm (mais ou menos) sucesso junto do público. Como disse o Raul, os Radiohead lideraram tabelas e, portanto, são “pop”. É verdade que as suas canções seguem um formato – desculpem a repetição – “pop” (propositadamente curtas para terem “airplay”) mas não deixam de ser superiores às da Britney.

    “Pop” é tudo: bom e mau.

  5. Raul C diz:

    Não vejo por que razão a pop tem conotação negativa, mas obviamente tem (basta ver o comentário do vasco). O que queria desmistificar era isso mesmo. Que se percebesse que os Sonic Youth são o lado mais pop dos artistas Thurston Moore e Lee Ranaldo, o que não faz desta banda má, muito pelo contrário, tal como os Radiohead, músicos pop extraordinários.

  6. Du diz:

    Bom repto. Lá está de novo a questão das etiquetas e rótulos, que vem facilitar a vida e tornar as pessoas mais amorfas, por tão fácil ser arrumar cada artista ou banda numa gaveta.
    Musica Pop, de popular, portanto, tudo o que é para o povo, para a(s) massa(s).
    Tal como indie, neste rótulo cabe praticamente tudo, tirando o Erudito. Visto assim, britney spears e kaiser chiefs vivem lado a lado sem problemas. O conteúdo não tem nada a ver, em termos estéticos e de qualidade, mas de facto, ambos estão sob o grande tecto da Musica Pop. Aí, creio que há que separar o trigo do joio. E aí sim, surgem outras novas etiquetas e rótulos.
    Mas no fundo, e respondendo ao repto, acho que a maior parte da música de que aqui se fala está dentro desse subgrupo música Pop…que é tão vago como chamar humano a uma pessoa. Dentro de humano, há-os aos milhões, depois há os amarelos, brancos, gordos, baixos, etc.
    E o conceito música pop tem uma conotação meio pejorativa, mas há que sublinhar que nem tudo o que é pop(ular) é mau, antes pelo contrário.

  7. Raul C diz:

    Lamento imenso a minha opacidade de espírito, mas… que tem esse comentário a ver com o meu texto?!

  8. Vasco diz:

    Este comentário foi removido pelo autor.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *