Artigos

Pela estrada fora, ao som das guitarras de Brown Acid

São já dez os volumes destas colectâneas, que reviram colecções de discos para encontrar o lado escondido do rock stoner e psicadélico dos anos 60 e 70

Há cinco anos, a Riding Easy, editora de discos da Califórnia, começou uma aventura que, de repente, ganhou balanço e uma aura próprias. Começaram por editar Brown Acid, the First Trip, uma colectânea com 11 temas obscuros dos anos 60 e 70. Brown acid é uma expressão celebrizada em Woodstock, quando o speaker de serviço avisou as pessoas para o potencial perigo de um ácido castanho que andava a ser vendido no recinto, e que estava a provocar alucinações e bad trips a muitos consumidores. Em comum, os temas inicialmente escolhidos tinham alguns factores: era música inegavelmente eléctrica (e muito!), movida a guitarras fortes; provinha dessas duas décadas; incluia desde o rock psicadélico ao que chamavam de proto-metal e pre-stoner; e eram da autoria de bandas pouco conhecidas que, por uma razão ou por outra, tinham desaparecido sem deixar grande rasto.

A juntar à paixão por estas temas sujos, enérgicos e a soar a outlaw rock, a Riding Easy desenhou uma capa hoje icónica, cujo estilo foi sendo trabalhado nos capítulos seguintes desta saga. É que o sucesso do primeiro número convenceu esta pequena editora de que havia, de facto, um público para esta redescoberta, fazendo para este género o que investidas anteriores como as célebres colectâneas Nuggets ou Pebbles haviam feito em relação a outros primos musicais.

Por outro lado, a editora faz questão de lincenciar todas as músicas, uma tarefa muitas vezes hercúlea: praticamente todas as bandas estão há muito desaparecidas e contactá-las é um autêntico pesadelo. Mas, quando a série Brown Acid começou a ser falada, outras portas se começaram a abrir. Contas feitas, acaba de ser editado o décimo volume desta magnífica viagem, cujos discos podem ser conhecidos aqui.

Não faz grande sentido destacar um tomo em detrimento de quaisquer outros. Cada volume da série Brown Acid é uma trip por si mesma. Não será por aqui que vamos conhecer aquela banda que nos levará depois a procurar toda a sua discografia, até porque a esmagadora maioria delas não tem discos disponíveis ou não foram sequer além da edição de um ou outro single rapidamente esquecido.

O que a força deste conjunto nos dá é uma banda-sonora de um filme de Tarantino ou Robert Rodriguez, uma viagem noite fora, até ao sol nascer, por um deserto poeirento, ao volante de um rápido descapotável preto e lustroso. Acid rock, stoner antes de isso ter sido inventado, toques de psicadelismo, guitarras negras como o cabedal dos blusões, cheiro a gasóleo, distorção e um amadorismo pioneiro de quem vivia na garagem, sem pensar no êxito ou no fracasso de amanhã.

Entrem nesta viagem. Garantimos que não se vão arrepender!

Previous Article
Hoje somos George Floyd
Comments (0)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *