8.5/10
Adrianne Lenker – songs (2020)

De uma assentada Lenker lança dois discos, um dois em um que, mais uma vez, têm de ser escutados e degustados como iguaria que são.

6.5/10
Okvsho – Kamala’s Danz (2020)

Num mundo musical onde o processo de descoberta dos artistas parece estar cada vez mais facilitado pela Internet, os Okvsho nasceram, e estão a crescer.

7/10
Bent Arcana – Bent Arcana (2020)

Bebendo da fonte de Miles Davis no período elétrico, krautrock e rock psicadélico, John Dwyer reúne alguns dos seus colaboradores favoritos para partir numa viagem interestelar.

Capicua – Madrepérola (2020)

Desde 2008 Capicua tem brindado o mundo do hip-hop, aliás de toda a música portuguesa, com lições de como fazer boas letras e canções. Em 2020 chega Madrepérola, a mais recente jóia da discografia.

6/10
Sylvan Esso – Free Love (2020)

Free Love, ao fim de algum tempo, torna-se numa adição para os nossos ouvidos. Mal acaba a derradeira faixa do projeto, temos vontade de ouvir tudo do início e arranjamos todas as desculpas possíveis para dançar, nem que seja por um bocadinho.

6/10
IDLES – Ultra Mono (2020)

Ultra Mono é um cão de guarda caseiro que fica à porta a ladrar a…

9/10
Lianne La Havas – Lianne La Havas (2020)

Na hora de decidir se este é o “melhor” projeto de Lianne La Havas, o subjetivismo impera. No entanto, sem retirar o valor intrínseco às outras experiências da artista londrina, Lianne La Havas parece ser o trabalho mais bem conseguido da autora.

7.5/10
Benjamim – Vias de Extinção (2020)

O nome continua enganador. Não se fiem nele. Benjamim já por cá anda há algum tempo e agora deu um pulo. Cresceu, mudou de rumo, avançou em direção ao passado e deve ter-se divertido à grande.

8.5/10
Fleet Foxes – Shore (2020)

Shore é um disco belo. Respeitemos portanto a vontade do pai de António Lobo Antunes…

7.5/10
Metallica – S&M2 (2020)

A voz de James Hetfield é a melhor surpresa da segunda aventura sinfónica dos Metallica e nem por isso o disco deixa de nos aquecer a alma. Será a isto que chamam envelhecer com classe?

8/10
Carne Doce – Interior (2020)

A banda renovou o seu som e apresenta um pequi gostoso para se saborear a qualquer hora e a qualquer instante. Está cada vez mais sumarenta, esta Carne Doce.

7/10
Conjunto Cuca Monga – Cuca Vida (2020)

Totalmente gravado à distância em modo cadáver-esquisito, Cuca Vida é um bem-disposto e despretensioso mergulho no grupo de WhatsApp da Cuca Monga, cheio de private jokes, piscadelas de olho ao mundo digital e reflexões sobre a amizade.

7.5/10
IAN – RaiVera (2020)

O disco de estreia de IAN respira liberdade e inventividade, ligando a pop mais imediata a momentos mais contemplativos.

7.5/10
B Fachada – Rapazes e Raposas (2020)

Uma ausência prolongada desembocou num disco surpresa e trouxe de volta o mais galante bardo…

8/10
Bill Callahan – Gold Record (2020)

O homem da voz funda dá-nos mais um belo disco em que confirma que está,…

8.5/10
The Flaming Lips – American Head (2020)

Os alquimistas Flaming Lips regressam a um território onde já foram felizes com o recente American Head, e salvam-nos com a melancolia deles.

6/10
Taylor Swift – Folklore (2020)

A cantora mais bem sucedida da cena pop mundial aproveitou a pandemia para se reinventar num disco “indie” e, sobretudo, íntimo.

8/10
Tim Burgess – I Love the New Sky (2020)

Herói do confinamento, optimista incorrigível mas de maneira nenhuma superficial, Tim Burgess pode não salvar o mundo mas está numa missão de ajudar a puxá-lo para cima.