Frederico Batista
704 Articles9 Comentários

Nascido em 1980, licenciado em Comunicação Social e finalista do primeiro curso de Jornalismo e Crítica Musical na ETIC_. Desde cedo fui um aficionado pela música. Nirvana aos 12 anos, Beatles aos 15 e a partir daí o mundo mudou. Tornei-me um homem dos 60s mas não consigo estar sem ouvir tudo o que de novo se passa. Parar é morrer e a música é um rio de fluxo contínuo. Beards for Peace!

Creedence Clearwater Revival – Pendulum (1970)

Após cinco discos inatacáveis em apenas três anos, os Creedence Clearwater Revival resolvem fechar 1970 com um disco diferente. O fim estava próximo, mas a banda ainda tinha alguns cartuchos prontos a disparar.

James – Laid (1993)

Em 1993, num cenário pós-Smiths e pré-explosão da Britpop, os James, com a ajuda de Brian Eno, tornavam-se numa das mais importantes bandas britânicas.

“Liberdade” – Sérgio Godinho

Um graffiti posto em rock.

“Out Of Reach” – Bananagun

Com influências desde o tropicalismo ao afro-beat, os Bananagun são uma das boas descobertas de 2020.

“The Adults Are Talking” – The Strokes

Uma canção fantástica com um crescendo que só os Strokes nos conseguem dar.

“Loser” – Beck

“Loser” será, para sempre, um hino da adolescência dos anos 90.

“I’m The Greatest” – Ringo Starr

O mais próximo de uma reunião dos fab four.

Playlist da Semana: Chegar aos 40

Celebremos os 40 anos destas canções com um misto de nostalgia e esperança no futuro.

“Free As A Bird” – The Beatles

Em 1994, o mundo voltou a ouvir os quatro rapazes de Liverpool juntos outra vez e foi um dia mais feliz.

“Don’t Let Me Down” – The Beatles

Para sempre esquecida no lado B de “Get Back” e no pouco conhecido disco Past Masters, “Don’t Let Me Down” é uma canções mais pujantes que Lennon escreveu durante a sua participação nos Beatles.

Playlist da Semana: Past Masters – uma vida de Beatle

No dia em que se assinalam os 50 anos do lançamento de Let It Be, o último disco de originais dos Beatles, o Altamont junta a sua equipa e celebra a vida da banda mais importante do pop/rock.

Oasis – Standing On The Shoulder Of Giants (2000)

No virar do milénio, os Oasis mudam o logo da banda, perdem mais dois membros fundadores, Noel afasta-se das drogas e Liam escreve a sua primeira música. O disco, regado a psicadelismo, marca, de certa forma, o fim da Britpop e da relevância da banda no panorama musical.

“Sinking Ship” – Cake

Há muito tempo que os Cake não nos presenteiam um novo disco. Será em 2020?

“Salary Man” – Kiwi Jr.

Influenciados pelos Parquet Courts que, por sua vez, tinham sido influenciados pelos Pavement, os Kiwi Jr. juntam mais uns pós de pop soalheira ao seu som já folgado. Uma das boas surpresas de 2020.

“Gerbera Amarela do Sul” – Filipe Sambado

“Gerbera Amarela do Sul”, candidata a melhor tema do festival da canção, é tradição e evolução numa só, marinheiros de cabelos descolorados, padeiros hipsters e a Torre de Belém versão airbnb.

“Salt Of The Earth” – Bill Fay

Que Bill Fay continue por cá por muito mais anos para nos compensar os tantos que perdemos desde o seu blackout.

“Fox” – Dogleg

A urgência e vigor que destila de “Fox” é o espelho de uma juventude ainda sem a visão de uma responsabilidade próxima. Deixemo-los viver!